quarta-feira, 10 de abril de 2013

Terça-feira da 6ª semana da Páscoa


REZANDO COM O EVANGELHO DO DIA

(LECTIO DIVINA)

Terça-feira da 6ª Semana da Páscoa

1) Oração

Ó Deus, que o vosso povo sempre exulte,
pela sua renovação espiritual.
Alegrando-nos hoje
porque adotados de novo como filhos de Deus,
esperemos confiantes e alegres o dia da ressurreição.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


2) Leitura do Evangelho  (João 16, 5-11)

5Agora, eu vou para aquele que me enviou, e nenhum de vós me pergunta: ‘Para onde vais?’ 6Mas, porque vos falei assim, os vossos corações se encheram de tristeza. 7No entanto, eu vos digo a verdade: é bom para vós que eu vá. Se eu não for, o Defensor não virá a vós. Mas, se eu for, eu o enviarei a vós. 8Quando ele vier, acusará o mundo em relação ao pecado, à justiça e ao julgamento. 9Quanto ao pecado: eles não acreditaram em mim. 10Quanto à justiça: eu vou para o Pai, de modo que não mais me vereis. 11E quanto ao julgamento: o chefe deste mundo já está condenado.

3) Reflexão


• João 16,5-7: Tristeza dos discípulos. Jesus, a partir de comunicação artificial de sua separação, provoca que a tristeza que os discípulos guardavam no coração aflore neles: " Agora, eu vou para aquele que me enviou, e nenhum de vós me pergunta: ‘Para onde vais?". É evidente que separar-se do estilo de vida aprendido com Jesus implica para os discípulos um sofrimento. Jesus insiste: "6Mas, porque vos falei assim, os vossos corações se encheram de tristeza" (v.6). Santo Agostinho explica assim este sentimento de abandono que invadia os discípulos: "Dava-lhes medo o pensamento de perder a presença visível de Jesus ... Seu afeto humano se entristecia ao pensar que seus olhos não iriam mais experimentar o consolo de vê-lo" (Comentário ao Evangelho de João, XCIV, 4). Jesus tenta dissipar essa tristeza, causada pela diminuição da sua presença, ao revelar o propósito de sua partida. Isto é, se ele não partir, o Paráclito não virá a eles, mas se ele morrer para voltar para o Pai, poderá enviá-lo para os discípulos. A partida e a separação são condição para a vinda do Paráclito: "Se eu não for, o Defensor não virá a vós..." (v. 7).
• João 16,8-11: Missão do Paráclito. Jesus continua a descrever a missão do Paráclito. O termo "Paráclito" significa "advogado", ou seja, assistente de apoio. Aqui, o Paráclito é indicado como o acusador em um processo que se realiza diante de Deus, no qual o acusado é o mundo, culpável por condenar Jesus: " acusará o mundo em relação ao pecado, à justiça e ao julgamento " (v. 8). A tradução da CEI diz: "Ele convencerá o mundo", o verbo grego significa elègkein que investigará, interrogará, colocará à prova: trará à tona a realidade, oferecerá a prova da culpa.
O objeto da demonstração é o pecado: ele oferecerá ao mundo a prova do pecado que cometeu em relação a Jesus e o manifestará. De que pecado se trata? O da incredulidade (Jo 5,44 ss; 6,36; 8,21.24.26; 10,31 ss). Além disso, o ter pensado o mundo que Jesus é um pecador (Jo 9,24; 18,30) resulta ser uma culpa imperdoável (Jo 15,21 ss).
Em segundo lugar, "demonstrará" a culpa do mundo "sobre a justiça." Em termos jurídicos, a noção de justiça que mais concorda com o texto é o que traz uma declaração de culpa ou inocência no julgamento. Em nosso contexto, é a única vez no Evangelho de João que aparece o termo "justiça", em outros lugares aparece o de "justo". Em Jo 16,8 a justiça está ligada ao que Jesus disse de si mesmo, isto é, o motivo pelo qual vai para o Pai. Com esta exposição explica a sua glorificação: Jesus vai para o Pai, está prestes a ser eclipsado, e, portanto, os discípulos não poderão vê-lo, está prestes a se entregar e mergulhar totalmente na vontade do Pai. A glorificação de Jesus confirma sua filiação divina e a aprovação pelo Pai da missão realizada por Jesus. Portanto, o Espírito demonstrará diretamente a justiça de Cristo (Jo 14,26; 15,26) ao proteger os discípulos e a comunidade eclesial.
O mundo, pensava ter julgado Jesus condenando-o, agora é condenado pelo "príncipe deste mundo", porque ele é responsável por sua crucificação (13,2.27). Jesus morrendo na cruz, ressuscitou (12,31) e derrotou Satanás. Agora, o Espírito testemunhará a todos o sentido da morte de Jesus, que coincide com a queda de Satanás (Jo 12,32, 14,30, 16,33).

4) Para confronto pessoal

1) Temos o mesmo medo e preocupação de perder Jesus como tinham os discípulos?
2) Você se deixa conduzir pelo Espírito Paráclito que leva você a identificar o erro do mundo, o ajuda a aderir a Jesus e leva-o a conhecer a verdade sobre si mesmo?

5) Oração final

Eu te dou graças, SENHOR, de todo coração:
pois ouviste as palavras da minha boca.
Vou cantar para ti diante dos anjos,
e prostrar-me diante do teu santo templo.
Celebro teu nome pela tua bondade e pela tua fidelidade:
pois tua promessa supera toda fama. (Sl 137, 1-2).




Nenhum comentário:

Postar um comentário